terça-feira, dezembro 26

Compradores e eleitores

Um buggueiro do sul resolveu comprar um cambão de uma empresa do Nordeste, cujo proprietário era um cara conhecido nos forums do site e também um sujeito que conhecia e apreciava buggies. Pois após as tratativas para comprar o tal cambão, o comprador levou um calote de 300 reais. Pouca grana, não? como alguém que priva de nossa amizade virtual, que tem um mercado enorme nas mãos pode fazer uma burrada destas? Enfim, lembrei-me que os políticos agem mais ou menos assim, prometem muito e - nem bem assumem - fazem tudo diferente.

Aqui no RS, a governadora eleita está propondo um tarifaço. O Estado está quebrado, logo a solução imediatista é tentadora... mas e as promessas? e a palavra empenhada com o povo? Bem, em nome de algo maior, dane-se o povo! Fico pensando nas soluções encontradas pelos economistas de plantão: faltou grana? aumenta-se os impostos! baixar custos? que bobagem...

Mas, nem sempre um aumento de impostos causa uma elevação da receita do Estado. As empresas, já acostumadas com a voracidade tributária dos governantes, sempre procuram soluções diferenciadas. Vale ir para outro estado, usar outros portos para exportação, reduzir custos, impactando na sua produtividade, geração de empregos e levando a que? redução da arrecadação, empobrecimento do Estado e da população. Isso sem falar no aumento da sonegação que fica sendo quase que uma "legítima defesa" do contribuinte.

Vejam esta conta: nosso amigo empresário que lesou outro amigo em 300 reais, perdeu um mercado enorme, por conta disto. O Planeta Buggy é um site com um número significativo de visitas e nunca cobrou publicidade. Quem quer atender a este mercado, sempre teve as portas abertas neste site, gratuitamente. Certamente, alguns souberam ganhar algum dinheiro neste tipo de negociação e, mantendo-se dentro da linha, nada mais lógico que apoiar este pessoal. Mas, comparando o empresário com a nossa governadora, parecem-me iguais: lesaram uma vez. Vão conseguir lesar novamente? Ou acham que os eleitores/compradores são bobos? Bem, não respondam a esta pergunta...

Saiba mais sobre cambão e como conduzir um carro no arrasto! http://www.planetabuggy.com.br/carroceria/cambao.htm

6 comentários:

Cineman disse...

Pois Buggyman o teu comentário vem bem na hora. Acabo de ouvir o noticiário sobre o plano da governadora para salvar o estado. Ou seja a nova forma de gestão. Qual é a nova forma? Aumentar impostos. Ela ganhou do Rigoto porque disse com toda clareza que o Rigoto só tinha sabido aumentar impostos, e o povo concordou com ela. O Rigoto prometeu numa reunião que não ia aumentar impostos e aumentou. Pois a Yeda aumenta antes de assumir e isto após ter prometido a tal nova forma de gestão. E tem coisas mais graves no pacote. Estão trazendo sanções aos exportadores. Beleza, vai contra tudo o que eu aprendi. Depois não se queixem se o pessoal abandonar o estado e for para outras plagas mais saudáveis, como a Bahia por exemplo que já é um destino natural das empresas gauchas. Agora vamos ver quais os secretários são coerentes. Dois foram mas eu acho que fica por aí.

Buggyman disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Buggyman disse...

Acho que as raposas do PFL já se deram conta do tamanho do estrago e da potencialidade que se mostra no caminho. Fora do segundo escalão e acho que de todos os escalões do governo estadual, vai permanecer com o vice batendo diariamente na tia, para que o povo não esqueça do que ela fez. No final dos quatro (longos) anos, quem sabe se habilita? Azar nosso...

Cineman disse...

Por que será que eu estou me lembrando da Zelia Cardoso?

Cineman disse...

Correção em meu comentário anterior. Apareceu mais um secretário convidado coerente. O Deputado Jerônimo Goergen acaba de recusar o convite para a Secretaria da Agricultura. Outra coisa: Estou numa campanha para localizar os beneficiários do pacote - Sugiro que tentes localizar pelo blog os produtores de atum do Rio Grande do Sul.

Buggyman disse...

A opção pelo atum, sardinha, motoniveladoras e outras coisas para a redução do imposto, deve ter sido feita pelos tecnocratas da Sec. da Fazenda, que bem conhecemos: olhando a lista para saber onde o Estado arrecada menos (insignificâncias, na verdade) e reduzindo o imposto sobre estes produtos. Tijolos e tubos de concreto? ora, eles são sonegadores por natureza, nem vale a pena fiscalizar... concreto pronto? já existe jurisprudência dizendo que é serviço e não produto...

Eles não fizeram direito o tema de casa e levaram na cabeça. Eu, sinceramente, achava que o pior para a tia, seria a aprovação deste pacote integralmente. Aliás, acho que esta era a intenção do grupo que a cerca. Agora, ela tem em quem largar a culpa se nada der certo (o que aliás, é praticamente uma certeza), pois, como diria o Barão de Itararé, "de onde menos se espera que saia alguma coisa, dali mesmo é que não sai nada!"